E o ano da Stock Car acabou bem

Arquibancadas estavam cheias em Interlagos (Foto: Bruno Terena/Red Bull)
Arquibancadas estavam cheias em Interlagos (Foto: Bruno Terena/Red Bull)

SÃO PAULO, 14h08 – Acabou que ontem nem escrevi sobre a final da Stock Car aqui no blog. Uma final bem legal. Uma boa corrida, que teve na questão do reabastecimento um ingrediente a mais. Corridas assim são melhores do que aquelas em que é obrigatório para nos boxes, acho.

E a Corrida do Milhão permitiu estratégias de todo o tipo. Não parar nos boxes, parar no meio da corrida e parar nas primeiras voltas. As três foram representadas no pódio, por Cacá Bueno, Ricardo Maurício e Thiago Camilo, respectivamente. A ordem de chegada foi o inverso disso: Camilo, Maurício e Cacá.

O pit-stop de Camilo decidiu sua vitória (Foto: Rodrigo Berton/Agência Warm Up)
O pit-stop de Camilo decidiu sua vitória (Foto: Rodrigo Berton/Agência Warm Up)

Para falar das estratégias, a de Camilo funcionou com uma forcinha de seu companheiro de equipe, Lico Kaesemodel. Depois da corrida, ele explicou que foi tocado na primeira volta, o que furou seu radiador, jogou água nas rodas traseiras e provocou uma rodada no S do Senna, no momento em que Camilo estava nos boxes. Aí entrou o safety-car e começou a economia do piloto da RCM, que precisaria contar com bandeiras amarelas para chegar ao fim. Mais duas intervenções do carro de segurança aconteceriam.

Aos 55s deste vídeo tem a rodada do Lico, que trocará a RCM pela Boettger em 2013. Uns 30s depois tem o carro de resgate cruzando a pista de maneira bastante perigosa – quase que Julio Campos o acertou em cheio. Foi por pouco.

A corrida seguiu e a questão única era: aqueles que optaram por não parar conseguiriam chegar até o fim? Maurício desistiu no meio da prova, fez seu pit-stop e, por um momento, pareceu que tinha se dado mal. Mas ainda veio outro SC, o terceiro, motivado pelo acidente de Diego Nunes.

Na dianteira, Allam Khodair parou nos pits a duas voltas do fim. Não cruzaria a linha de chegada. Neste momento a liderança passou para… Galid Osman!

Seria muito bacana ver o Galid, melhor estreante do ano, vencer na Corrida do Milhão. Só que não havia gasolina suficiente para ele também. A corrida acabou na abertura da última volta. Ele já havia sido ultrapassado por Cacá Bueno, que assumiu a ponta e partiu rumo à vitória na corrida do penta.

Nonô Figueiredo tentou ultrapassá-lo, mas ficou sem gasolina, também. A última volta assumiu contornos épicos para o pentacampeão na curva do Mergulho. Ali, o motor apagou. Ligou de novo na Junção, quando o carro inclinou para cima e o combustível desceu. Apagou de vez na reta. Foi então que Thiago Camilo, antes pensando que Cacá havia tirado o pé, percebeu que a vitória seria sua. Passou e ganhou, de novo, o milhão. Foi só dessa vez que ficou milionário (o prêmio foi dividido meio a meio com a equipe nos dois anos).

Todo mundo saiu na foto (Foto: Rodrigo Berton/Agência Warm Up)
Todo mundo saiu na foto (Foto: Rodrigo Berton/Agência Warm Up)

Dentre os convidados, Raphael Matos foi o melhor. Terminou em nono lugar na Corrida do Milhão, de longe o melhor resultado da Bassani Racing no ano. Helio Castroneves, em sua estreia, foi o 14º. Barrichello ficou pela segunda vez em 22º e Tony Kanaan não completou. O resultado de Matos mostra que ele pode andar bem aqui na Stock Car no ano que vem, possivelmente dando continuidade ao trabalho que fez com a Bassani nestas duas corridas de 2012. Barrichello, por sua vez, este certo de que estará aqui, apresentou um bom desempenho nas classificações, mas ainda precisa mostrar uma boa performance nas corridas. Não foi bem em nenhuma, seja lá qual foi o motivo.

Sobre o campeão, não há muito a dizer. Cacá Bueno é o melhor piloto do Brasil na atualidade. Pentacampeão. Não acredita que seja possível alcançar Ingo Hoffman, mas quer chegar a oito, confessou ontem.

Em quatro anos de parceria, Cacá, Andreas Mattheis e a Red Bull conquistaram três títulos e um vice (Foto: Bruno Terena/Red Bull)
Em quatro anos de parceria, Cacá, Andreas Mattheis e a Red Bull conquistaram três títulos e um vice (Foto: Bruno Terena/Red Bull)

Cacá também não está muito preocupado em deixar o país. Realmente existe a possibilidade de ele testar um carro da BMW no DTM, via BMW Team Brazil, mas ele não quer ir para a Alemanha ou para qualquer outro campeonato para fazer carreira – já tem 36 e não pensa que há tempo para isso. Só vai se puder chegar em uma equipe que lhe permita brigar por vitórias logo de cara. Não há tempo a perder.

Sobre a união da Corrida do Milhão com a final do campeonato, o evento foi dos bons, admito. Ficou um superevento, ingressos esgotados, arquibancadas cheias, convidados de luxo e tal. Mas eu ainda acho que poderia valer mais a pena ter dois grandes eventos em vez deste superevento. Não é a opinião da organização – nem de muita gente que também prefere o que foi feito neste fim de semana – que já anunciou o calendário do ano que vem com a Corrida do Milhão marcada para 15/12.

Finalmente, é bom ver que o ano da Stock Car acabou sem grandes polêmicas. As maiores foram os dois casos de doping, de Alceu Feldmann e Marcos Gomes, mas o ano de 2012, comparado ao de 2011, foi mil vezes mais tranquilo. Estava até com medo de dar algo de errado ontem e o não parar mais de trabalhar, mas nada aconteceu, felizmente. Um passo adiante dado pela categoria. A coisa estava feia nos últimos tempos. Bom que se acertou.

Anúncios

Comente este post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s