SIMONA, A MELHOR PILOTA

2014-f1-sauber-simonaSÃO PAULO | Ninguém esperava pela notícia de que Simona de Silvestro se tornaria uma “pilota afiliada” da Sauber em 2014. Ninguém sabe direito, também, o que é uma “pilota afiliada”. Mas, o que deu para entender, é o objetivo que a suíça tem para o futuro da carreira: a F1.

Da leva de mulheres que competiu na Indy nos últimos tempos, começando por Sarah Fisher e passando por Danica Patrick, Bia Figueiredo, Pippa Mann e Katherine Legge, Simona é a melhor. Não venceu, mas fez ótimas apresentações andando por times pequenos, como a HVM, e médios, como a KV. Foram trabalhos excelentes, especialmente no ano passado.

A KV pode não ter sido constante, mas Simona se portou muito bem em algumas provas e inclusive foi ao pódio em Houston. Convenceu.

E Simona é muito mais discreta do que Danica, por exemplo. A suíça nunca foi tão midiática quanto a baixinha, e tem um jeito bem mais simples. Mas esse jeito bastou para que ela conquistasse o público, por isso, sua saída é uma perda enorme para a Indy. É uma fofa.

Procurando se reencontrar, a Indy tem tentado encontrar novas personalidades para construir histórias em cima e atrair um público maior nos EUA. Simona era uma dessas apostas.

Agora, ela vai para a Sauber fazer toda a preparação que é necessária para conquistar uma superlicença. Isso quer dizer que, em algum momento, ela deve testar o carro do time, além de participar das atividades nos simuladores e conhecer os bastidores de um time de F1.

2013-indy-03-longbeach-Q-richarddowdy-simona

A pergunta que já estamos fazendo é: veremos Simona na F1 em um futuro próximo?

Braço, tem. Levando em conta os pilotos da Sauber, Esteban Gutiérrez e Adrian Sutil, e os reservas Sergey Sirotkin e Giedo van der Garde, dá para pensar tranquilamente em colocá-la como titular daqui a alguns meses.

Seria o fim de um hiato de mais de 20 anos sem uma mulher na F1. Só homens disputam a categoria desde 1992, quando Giovanna Amati tentou, sem sucesso, se classificar para os GPs da África do Sul, do México e do Brasil.

Para quem não sabe, Amati foi a quinta mulher a se aventurar na categoria. A primeira foi Maria Teresa de Filippis, em 1958, seguida por Lella Lombardi (1974-1975), Divina Galica (1976 e 1978) e Desiré Wilson (1980). A única delas que somou pontos foi Lombardi, no famigerado GP da Espanha de 1975, em Montjuïc. Recentemente, María de Villota e Susie Wolff participaram de testes com as equipes Marussia e Williams, respectivamente.

A F1 está curiosa para ver uma mulher no grid novamente, e essa é uma das melhores oportunidades que a categoria tem para isso.

Anúncios

Um comentário sobre “SIMONA, A MELHOR PILOTA

  1. A melhor mas nao o melhor suiço, pelo menos avaliando pelos resultados. Fabio Leimer por exemplo ganhou corridas e foi campeao na GP2. Duvido tambem que ela tenha mais potencial do que Giedo Van der Garde, Esteban Gutierrez ou Adrian Sutil.

    Resposta

Comente este post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s