O TAPETÃO DO AUTOMOBILISMO


SÃO PAULO | Nesta semana em que tanto estamos falando de tribunais e tapetões por causa do futebol, o automobilismo não deixou a desejar e também nos propiciou uma polêmica. O Brasileiro de Turismo vai parar na justiça desportiva — e possivelmente na comum —  devido à insatisfação de Marco Cozzi com as punições aplicadas pela CBA após a prova decisiva, em Interlagos.

Cozzi foi campeão na pista ao vencer em São Paulo e ver Felipe Fraga, que precisou parar nos boxes para trocar um pneu, terminar apenas em sétimo quando tinha de ser quinto. Foi para o alto do pódio e festejou o título, mas logo foi avisado que o resultado ainda poderia mudar. De fato, mudou. Gabriel Casagrande, outro que podia ser campeão, foi punido em 20s por atitude antidesportiva contra Cozzi; e JV Horto recebeu a mesma pena por uma irregularidade cometida na volta de apresentação.

Essas sanções alçaram Fraga à quinta posição e deram a ele a taça.

É estranho ver um piloto ser penalizado após a prova por uma irregularidade cometida antes da largada. Por que diabos demoraram tanto?

Há, ainda, um item do regulamento bem confuso que nos faz pensar bastante se a punição aplicada a Horto tem ou não relevância para o desfecho do campeonato.

No trecho do livro de regras que diz respeito à pontuação, é dito que um piloto só pode pontuar nas duas últimas provas se tiver participado de duas etapas entre as seis primeiras. Não atendendo a esse critério, é como se ele não estivesse na prova: os pontos passam para o piloto seguinte. No caso da corrida de domingo, Fraga, sexto, pontuaria como quinto. OK. O problema é que esse excerto se encontra dentro do item ‘Critérios de desempate’. Hein?

Com relação à punição que foi aplicada a Casagrande, achei justa. A disputa entre ele, Cozzi e Carreira foi bem ríspida, mas a impressão que tenho é que Gabriel poderia ter evitado o choque com o companheiro de equipe.

Dependendo de como o tribunal interpretar o tal ‘Critério de desempate’, acho difícil que Cozzi consiga reaver o título, a não ser que a punição aplicada a Casagrande seja revertida.

Mas Cozzi está determinado a brigar pela taça que considera ser sua por direito — e tem o direito de fazê-lo. Já recorreu à justiça desportiva e promete ir até a justiça comum.

De um jeito ou de outro, ficou feio ver o campeonato decidido na canetada depois da corrida.

No automobilismo, o ‘tapetão’ funciona em três instâncias: comissários, Comissão Disciplinar e Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Em Interlagos, os comissários indeferiram dois recursos da Carlos Alves, que agora vai à CD. Se for do desejo de uma das partes envolvidas, a batalha vai até o STJD.

E se você acha que a justiça no futebol é lenta, pasme: o título de 2010 da F3 Sul-Americana só foi resolvido a favor de Bruno Andrade em detrimento de Yann Cunha — declarado campeão no evento — um ano e meio depois. Estaremos sub-júdice até lá.

Anúncios

HITECH NO BRASILEIRO DE TURISMO


hitechSÃO PAULO – Já tem novidade anunciada para a próxima temporada do Brasileiro de Turismo: a Hitech, equipe da F3, vai passar a correr na categoria de acesso da Stock Car no ano que vem.

A equipe está na liderança da temporada da F3 Sudam, com o brasiliense Felipe Guimarães, e vai debutar no turismo. O chefe da equipe é que já estava adquirindo experiência na modalidade: Rodrigo Contin trabalhou como engenheiro da Bassani ao longo deste ano, e continuará no time em 2014, fazendo jornada dupla nos finais de semana de Stock Car, portanto. A Hitech continua, também, na F3 no ano que vem.

Na última rodada, em Curitiba, oito equipes correram. Se todas ficarem para 2014, serão nove. Um número bom de equipes.

E falando em BR de Turismo, teve corrida no último fim de semana, em Curitiba, e Felipe Fraga fez mais uma pole, a sexta do ano, e ganhou a quarta corrida. O campeonato está embolado, com ele, Marco Cozzi, Pedro Boesel, Gabriel Casagrande nas primeiras posições. Faltam duas etapas, que acontecerão em Brasília e São Paulo.

Panca de respeito


SÃO PAULO | Ficar sem freios a 180 km/h não deve ser uma sensação nada agradável. Bater de frente a 101 km/h. Foi o que passou Helio Castroneves, nesta sexta, ali em Ribeirão Preto. Líder do campeonato da Indy, ele veio para o Brasil para andar, na cidade dele, como piloto-convidado na Stock Car. E aconteceu isso.

É algo péssimo para a imagem da categoria. Quando a Stock Car conta com nomes de fora, é com o objetivo de atrair mídia. E aí justo esse cara de fora sofre um acidente desse porque o carro ficou sem freio? Pega mal.

Também estou vendo muita gente criticando Castroneves por vir andar na Estoque estando na disputa pelo título da Indy. Não é para tanto. É comum nos Estados Unidos ver pilotos se aventurando em outros campeonatos.

Além disso, o patrocinador de Castroneves aqui é o mesmo de lá: a Shell. Ou seja: um negócio que foi visto com bons olhos por todos. Não é o caso, também, de comparar com Robert Kubica. A Stock não é tão perigosa quanto um rali que anda na beira de precipícios.

Com relação ao estado físico do piloto, nada demais. Algumas escoriações nas pernas, somente. Ele sentiu uma dor nas costas, mas já passou por exames que descartaram quaisquer lesões mais profundas.

Vamos ver se ele poderá andar no fim de semana. O chassi entortou. A equipe estava estudando se teria como reconstruir ou se seria preciso buscar um novo na fábrica – em Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Stock em Brasília


SÃO PAULO | 10h53 | Neste fim de semana cheio de corridas, a Stock Car vai a Brasília para a quinta etapa da temporada 2013. O líder do campeonato é Ricardo Maurício, que venceu a última prova, há duas semanas, em Salvador.

Maurício não vencia uma corrida desde 2010, mas sempre esteve ali, beliscando pontos e pódios importantes para se manter na luta pelos títulos de 2011 e 2012.

Falando em pódios, agora ele busca o sétimo pódio consecutivo na categoria, sequência que começou justamente em Brasília, no fim do ano passado. Na penúltima etapa do campeonato de 2012, ele chegou em segundo lugar, atrás do companheiro de equipe Max Wilson. Desde então, não sabe o que é terminar uma corrida fora do top-3.

Ricardo Maurício e Max Wilson formaram a dobradinha da Eurofarma RC em 2012 (Foto: PPress)
Ricardo Maurício e Max Wilson formaram a dobradinha da Eurofarma RC em 2012 (Foto: PPress)

Cacá Bueno e Daniel Serra estão próximos na tabela do campeonato. O pentacampeão tem 74 pontos, um a mais que seu companheiro de equipe. O quarto colocado, Thiago Camilo, já está um pouco mais distante, com 58 pontos.

Nos últimos anos, o que tem se notado é uma alternância de vencedores na capital federal. Desde que o novo carro da categoria estreou, em 2009, o único que venceu duas vezes foi Allam Khodair – as duas, justamente em 2009.

2012: Max Wilson
2011: Valdeno Brito
2010: Cacá Bueno
2009-2: Allam Khodair
2009-1: Allam Khodair

Além da Stock Car, também estarão na pista os carros do Brasileiro de Turismo, que enfim faz sua estreia em 2013. Aqui tem um post sobre a nova divisão de base da Stock.

A previsão para o fim de semana aponta chuva para a tarde desta sexta, que tem um treino do Brasileiro de Turismo programado, e para a tarde de domingo, após a prova da Stock Car.

Só acho uma pena que essa corrida precise ser realizada em um anel externo porque as autoridades não são capazes de manter, com segurança, o circuito misto do Autódromo Nelson Piquet. Ao lado da pista fica o Estádio Mané Garrincha, que custou 1 bilhão de reais. Por ano, o autódromo recebe mais eventos importantes do que esse estádio vai receber após a Copa do Mundo.

Vai ser dada a largada para o Brasileiro de Turismo


SÃO PAULO | 12h50 | Começa neste fim de semana, em Brasília, o novo Campeonato Brasileiro de Turismo. Criado em 2013 pela Vicar, o certame ocupa o lugar da Copa Montana, que até o ano passado era a divisão de base da Stock Car, a “Stock Light”.

Até o momento, 18 pilotos estão confirmados para 20 vagas possíveis. Confesso que fiquei surpreso com esse número. Normalmente, quando uma categoria tem carros novos, o grid diminui, vide o que aconteceu com a própria Indy, em 2012. Por incrível que pareça, aconteceu o inverso com o BR de Turismo: o grid aumentou em relação ao que vinha sendo registrado na Copa Montana.

(Foto: Carsten Horst)
(Foto: Carsten Horst)

Os nomes certos até agora são os seguintes:

CARLOS ALVES: Raphael Abbate e Gabriel Casagrande
CARLOS ALVES/JSTAR: Marco Cozzi e Marcelo Hahn
HOT CAR: Pedro Boesel e Mauri Zacarelli
JSTAR: Leandro Romera e Fernando Fortes
MOTTIN: João Pretto e Luiz Carlos Ribeiro
MOTORTECH: Tito Morestoni e Luiz Sérgio Sena Júnior
NASCAR: Marcello Cesquim e Norberto Gresse
RACEQUIP: Guilherme Salas
SCUDERIA 111: Guilherme Figueroa
W2: Fábio Carreira e Felipe Fraga

Essa lista de pilotos é bem heterogênea. Há nomes que já passaram pela Stock Car, como Pedro Boesel, Norberto Gresse e Fábio Carreira, pilotos mais experientes como Marcelo Hahn e Mauri Zacarelli e jovens que estão estreando no turismo em 2013, como Gabriel Casagrande, Guilherme Salas e Felipe Fraga.

Esse trio que citei por último é um trio que reflete um pouco da situação do automobilismo brasileiro. Casagrande e Fraga chegaram a ir para a Europa e andar de fórmula, mas voltaram. Salas disputou a F-Futuro e agora, sem uma alternativa viável para correr de monoposto no Brasil, se muda para os carros de turismo.

Casagrande e Fraga, na Europa, no ano passado, não foram mal. Casagrande correu na F-Renault Norte-Europeia e conquistou dois pódios correndo por um time que não era uma potência. No fim do ano, ele decidiu que queria retornar, ainda que ouvisse as pessoas lhe dizendo o contrário. Fraga disputou o ALPS e a Eurocup, chegou a subir ao pódio em ambos, mas acabou preterido nas negociações durante o inverno e também voltou para casa.

Ambos chegaram à conclusão de que não vale a pena gastar R$ 1 milhão agora, mais R$ 1 milhão no ano que vem, R$ 1,5 mi no seguinte, R$ 3 mi no seguinte do seguinte… Até chegar na porta da F1 e precisar de R$ 10 milhões, R$ 15 milhões.

A nova meta é chegar à Stock Car e se profissionalizar no automobilismo brasileiro. Em outras palavras, profissionalizar-se andando em carros de turismo. Nessa missão, Fraga, patrocinado pela Red Bull do Brasil, terá um ‘tutor’ de peso: Cacá Bueno.

Também entram na lista de jovens pilotos que vão marcar presença no campeonato Marcello Cesquim e Raphael Abbate.

Com relação ao carro que será usado na categoria, construído pela JL, ele é mais próximo ao da Stock Car no que diz respeito à pilotagem. A potência é menor, em torno de 350 cv. O chassi, tubular, também conta com melhorias de segurança desenvolvidas nos últimos anos. Os pneus foram desenvolvidos pela Pirelli exclusivamente para o BR de Turismo.

No domingo, a largada será dada às 9h15, com transmissão da RedeTV!. Antes da Stock Car, o que é bom. Se é depois, o povo vai embora. É a única corrida do fim de semana que vou conseguir ver ao vivo, infelizmente. Vou viajar para o interior e lá não terei TV a cabo, ou seja, não vou ter como assistir Indy, DTM e a Stock Car. Mas já deixei tudo gravando na redação do GRANDE PRÊMIO e tiro o atraso na segunda-feira.

Abaixo, vai um vídeo de uma volta onboard com Guilherme Salas durante os treinos que foram realizados em Interlagos no mês de maio:

Maurício, Rockenfeller, Barrichello e Farfus


(Foto: Miguel Costa Jr.)

SÃO PAULO | 20h05 | Escrevi bastante na minha coluna semanal lá no GRANDE PRÊMIO sobre as corridas de ontem da Stock Car e do DTM.

Em Salvador, Ricardo Maurício venceu pela primeira vez desde 2010. Regularíssimo que é, está sempre na briga, mas fazia tempo que não ganhava. E Barrichello foi sambar no pódio.

Em Brands Hatch, Mike Rockenfeller capitalizou em cima do erro da RMG com Martin Tomczyk, que marcou a pole abaixo do peso mínimo. Mesmo assim, não dá para tirar os méritos do piloto da Audi, que dominou a prova. Augusto Farfus estava em segundo lugar, mas o câmbio de sua BMW quebrou e provocou seu abandono.

Para ler a coluna, clique aqui.

A próxima etapa das duas categorias acontece daqui a duas semanas, no dia 2 de junho. A Stock vai correr em Brasília. O DTM, em Zeltweg.

O forte acidente de Marcos Gomes em Tarumã


Marcos Gomes saiu ileso da batida (Foto: Duda Bairros/Vicar)

SÃO PAULO, 12h35 – Bateu forte demais o Marcos Gomes no primeiro treino livre da Stock Car lá em Tarumã. O acelerador travou e Gomes foi direto para a barreira de pneus, capotando uma vez. O piloto saiu ileso. Do carro, não se pode dizer o mesmo. A Carlos Alves terá trabalho para conseguir colocá-lo na pista no treino classificatório desta tarde, que vai começar às 16h.

O circuito de Tarumã é legal demais, sou fã, mas ele é um tanto perigoso, é verdade. Foi também por isso que a Stock Car se afastou de lá recentemente. Mas, como diz a famosa frase, ‘Motorsport is dangerous’. A média de velocidade de Thiago Camilo, líder do primeiro treino livre, foi de 175 km/h. A uma velocidade dessas, alguma hora uma pancada como essa acaba acontecendo, ainda que provocada por uma falha mecânica.

Eis o vídeo:

Abertura do Brasileiro de Turismo adiada


SÃO PAULO, 19h53 – O Campeonato Brasileiro de Turismo não vai começar em 28 de abril, em Tarumã. O motivo do adiamento foi, segundo a Vicar, o atraso da liberação de componentes mecânicos e eletrônicos que equipariam os novos carros da nova categoria, que estão sendo fabricados pela JL.

Assim, a primeira etapa de 2013 acontecerá somente no início de junho, em Brasília. O BR de Turismo, porém, continuará tendo oito etapas. Em vez de Tarumã, o campeonato vai correr em um circuito de rua, o de Ribeirão Preto, no mês de agosto. Com isso, todas as últimas oito rodadas da Stock Car terão a companhia da categoria de acesso.

A mudança afeta também os treinos de pré-temporada, que aconteceriam em Tarumã. Agora, eles acontecerão nos dias 6 e 8 de maio, em Interlagos e no Velopark, respectivamente. Equipes paulistas e fluminenses treinam aqui, gaúchas treinam lá.

Como acontecerão treinos no início de maio, imagino que a opção por incluir Ribeirão Preto e não Salvador no calendário seja para dar aos times uma corrida em um autódromo antes de uma pista de rua, para uma maior adaptação aos carros, e também pela questão da distância e do transporte – é muito mais fácil ir para Ribeirão do que para Salvador.

É chato ver uma notícia dessa. O campeonato foi desenhado um pouco às pressas, o que também explica tanto o começo tardio, quanto o atraso que deixou o começo ainda mais tardio. Vamos torcer que corra tudo certo daqui em diante.

13 pilotos confirmados para o Brasileiro de Turismo


Construído pela JL, o carro do Brasileiro de Turismo foi apresentado em março, em Curitiba (Foto: Fernanda Freixosa)
Construído pela JL, o carro do Brasileiro de Turismo foi apresentado em março, em Curitiba (Foto: Fernanda Freixosa)

SÃO PAULO, 14h11 – Saiu release da Vicar nesta segunda-feira confirmando os nomes de 13 pilotos que já estão certos para correr no Brasileiro de Turismo, que vai estrear no fim do mês, no dia 28, em Tarumã. Considerando que falta praticamente um mês para a estreia e que se trata de um campeonato novo, com um carro novo, até que é um bom número – mas que seria bom demais ver pelo menos uns 20 na pista, seria.

No ano passado, a Copa Montana estava reunindo mais ou menos o mesmo número de pilotos. Mas é possível que mais pilotos entrem na pista em Tarumã, já que as equipes Cesquim, Racequip e Scuderia 111 manifestaram interesse em disputar o campeonato.

Por ora, os pilotos confirmados são:

Carlos Alves: Raphael Abbate e Gabriel Casagrande
JStar: Leandro Romera e Fernando Fortes
Carlos Alves/JStar: Marco Cozzi
Motortech: Tito Morestoni e Luiz Sérgio Sena Júnior
Mottin: João Pretto
Hot Car: Pedro Boesel e Mauri Zacarelli
W2: Fábio Carreira
Nascar: Marcelo Cesquim e Norberto Gresse

O Brasileiro de Turismo será disputado em oito etapas em 2013. A categoria vai passar, além de Tarumã, pelos circuitos de Brasília (2x), Cascavel, Velopark, Curitiba, Goiânia e Interlagos.

Prévia da Stock Car 2013


SÃO PAULO, 20h25 – Começa neste domingo (3), em Interlagos, a temporada da Stock Car. Um ano que tem algumas mudanças interessantes. Tudo está explicadinho no especial que publiquei hoje no GRANDE PRÊMIO. Podem ler clicando aqui.

O grande complicador para os pilotos no começo do campeonato deve ser a adaptação aos pneus da Pirelli. Não que os compostos serão imprevisíveis como os da F1, mas não teve pré-temporada. Toda a preparação antes da primeira etapa ficará restrita a dois treinos extras na sexta-feira. É preciso cortar gastos, verdade, mas isso é muito pouco para um esporte de alto nível.

O tempo de pista também será pouco ao longo do ano: a programação ficará restrita aos sábados e domingos. Dois treinos livres, tomadas de tempo e corrida. É isso.

Corrida, aliás, que vai começar às 11h, não mais às 9h30. Horário horrível, esse. 11h é uma boa hora, acho eu. A visitação do público ficará para depois da prova. E o vencedor de cada uma das corridas receberá 24 pontos, não 22. O triunfo fica mais valorizado, portanto, o que deve estimular mais brigas.

Para brigar por vitórias e títulos, antes do início da temporada, não dá para apostar em pilotos que não sejam das equipes de Andreas Mattheis e Rosinei Campos. Os dois preparadores ganham tudo na Stock Car desde 2004. Domínio absoluto.

Disso sai uma lista de seis candidatos: Cacá Bueno, Daniel Serra, Ricardo Maurício, Max Wilson, Valdeno Brito e Thiago Camilo.

Mas é preciso elogiar também o trabalho da AMG e da Vogel. Átila Abreu chegou com boas chances de título à decisão da temporada 2012, em Interlagos, e pode repetir esse desempenho neste ano. Seu companheiro, Nonô Figueiredo, era outro que tinha chances matemáticas, embora remotas, de sair da Corrida do Milhão como campeão. E Allam Khodair, claro. O japonês voador venceu duas corridas no ano passado e certamente brigaria por título, mas enfrentou problemas que o tiraram da disputa. Encaixando tudo, deve ter um ano bem melhor.

E olho em Galid Osman, melhor estreante de 2012 e que vai ser companheiro de Thiago Camilo na RCM. Numa das equipes de Rosinei Campos, é bem possível que Galid brigue por pódios – quem sabe até por corridas.

Na briga dos novatos, claro que Rubens Barrichello é a grande estrela, e todos os outros vão querer batê-lo. Rubens foi bem nas três provas que fez em 2012. Ou melhor, foi rápido nas classificações. Nas corridas, vai precisar melhorar para somar pontos e andar na frente.

Dos estreantes “comuns”, destaco Fabio Fogaça, Sérgio Jimenez e Raphael Matos. Fogaça e Jimenez competiram em provas de turismo nos últimos anos e estão chegando à Stock Car para provar seu potencial. Fogaça correu na Top Race argentina e venceu corrida no Brasileiro de Marcas em 2012. Jimenez venceu corridas no GT Brasil nos últimos dois anos. Nomes promissores. O companheiro de Jimenez, Denis Navarro, é outro que deve chamar a atenção caso mantenha a boa forma do último ano.

Raphael Matos mudou de vez o foco da carreira com a vinda para a Stock Car. Sem lugar na Indy, o mineiro chegou aqui no fim do ano passado e gostou do que viu. Tinha a chance de correr pela Bassani, porquem andou nas duas provas finais da última temporada, mas acabou foi indo para a Hot Car. Só tem que ver se não vai acontecer com ele o mesmo que aconteceu com Vitor Meira, que teve um ano apagado em 2012. A julgar pelo o que Matos mostrou, acho que vai se sair melhor.

Fim de semana estarei em Interlagos, junto do Felipe Giacomelli, do Rodrigo Berton e do Felipe “Maverick” Tesser em mais uma cobertura para o GRANDE PRÊMIO.

2013-stock-logoPara encerrar, preciso comentar aqui também: o novo logo da Stock ficou feio, bem feio. Queriam dar um ar mais ~jovem~ para a categoria, e fizeram isso. Nem parece que é coisa de corrida. No release, disseram até que a Stock Car é considerada um “esporte radical”… pelamordideus. E pior que eu gostava do logotipo antigo.